Personalização

Acessibilidade

Dia 31 de março marca 57 anos do golpe civil-militar

Foto colorida de pessoas reunidas em uma manifestação pacífica. Algumas delas seguram em frente ao corpo fotografias em preto e branco de desaparecidos e mortos políticos
Concentração no Parque do Ibirapuera para a I Caminhada do Silêncio, no dia 31 de março de 2019, em homenagem aos mortos e desaparecidos políticos e às vítimas da violência de Estado. Crédito: Pedro Biava, acervo pessoal

Há 57 anos, um golpe articulado por setores militares e civis mergulharia o país em sua mais longa e violenta ditadura. Fundada sobre a criminalização, vigilância e repressão de toda dissidência política e social, a ditadura civil-militar inaugurou um período em que as graves violações de direitos humanos tornaram-se práticas sistemáticas do Estado.

O Memorial da Resistência de São Paulo é uma instituição dedicada a preservar as memórias políticas desse período, desenvolvendo atividades voltadas para a valorização da democracia, cidadania e direitos humanos. Com esse objetivo, procura se converter em um espaço de reflexão e diálogo com as novas gerações para que esse passado sombrio nunca mais volte a se repetir.

Nesse sentido, o Memorial manifesta seu veemente repúdio à recente decisão da Justiça, que permitiu que o Governo Federal promova celebrações pelo aniversário do golpe. Em defesa da Constituição Federal de 1988 e em respeito aos sobreviventes e aos familiares das vítimas deste período, denunciamos este ato autoritário e seguimos apoiando a luta pela consolidação e pelo avanço da democracia conquistada pela população brasileira.

Memorial Temporariamente Fechado

Seguindo as orientações do Plano São Paulo de combate à pandemia, o Memorial está fechado para atividades presenciais até que seja autorizado o seu funcionamento. O Memorial continua realizando atividades de maneira virtual! Para não perder nada da nossa programação online acompanhe nossos canais de comunicação.

Esperamos ver todos em breve!