Personalização

Acessibilidade

Primeiro Dossiê da exposição Orgulho e Resistências é divulgado

Realizado pela Casa 1, conteúdo audiovisual aborda os eixos curatoriais da exposição

Arte feita em com fotografias em preto e branco onde foi aplicado um filtro rosa choque de mulheres. Duas delas (a do canto superior direito e a do canto inferior esquerdo) seguram uma placa de fichamento na polícia. Todas tem cabelos compridos e usam camisetas fechadas. São 6 fotografias no total (3 em cima e 3 embaixo).
Série de fotografias do Arquivo Público do Estado de São Paulo que documentam a repressão sistemática de pessoas trans e travestis durante a ditadura

A Casa 1 – Centro de Cultura e Acolhimento LGBT tem feito a mediação da mostra e produzido uma série de conteúdos a partir das investigações do seu Instituto Temporário de Pesquisa sobre Censura. Para quem ainda não conhece, o projeto é voltado para a investigação da censura no Brasil desde o processo de colonização, reconhecendo suas dimensões políticas, sociais, econômicas, raciais e de gênero, entre outros tantos recortes e processos, traçados em cartografias coletivas.

Para acessar o primeiro dossiê produzido pelo Instituto e saber mais sobre os conteúdos da exposição, visite.

O que você encontra no dossiê:

  • Texto de abigail Campos Leal, composto a partir de uma série de fotografias do Arquivo Público do Estado de São Paulo, trazidas para a mostra, que documentam a repressão sistemática de pessoas trans e travestis durante a ditadura;
  • Áudio-relato da Dj e produtora cultural Ledah Martins durante visita à exposição, onde realiza uma narração-depoimento a partir das fotografias de Vânia Toledo sobre as boates dos anos 1970 e 1980;
  • Conversa em vídeo com Remom Bortolozzi e Renata Carvalho sobre os acervos Bajubá e Travesteca.

O conteúdo do dossiê explora mais a fundo um dos temas centrais da exposição, “Os Corpos e a Policia”. Exibidas ao púbico, fotografias de transexuais e travestis presas mostram como as prisões em massa foram instrumento do Estado para reprimir tipos sociais “indesejáveis”, baseados no ideário da moral e dos bons costumes. Essas prisões se mantiveram frequentes mesmo após o golpe de 1964 com a intenção de manter uma espécie de “higienização moral”, sendo comumente batizadas de Operação Boneca, Operação Limpeza, Pente-Fino e Arrastão.

Para poder conferir esses e outros documentos apresentados na exposição, não deixe de garantir seu ingresso com hora e data marcadas pelo site.

Memorial Temporariamente Fechado

Seguindo as orientações do Plano São Paulo de combate à pandemia, o Memorial está fechado para atividades presenciais até que seja autorizado o seu funcionamento. O Memorial continua realizando atividades de maneira virtual! Para não perder nada da nossa programação online acompanhe nossos canais de comunicação.

Esperamos ver todos em breve!