Personalização

Acessibilidade

Idioma do site

Próximo Sábado Resistente exibe o filme “Marighella”

Encontro terá conversa com o jornalista e escritor Mário Magalhães

Cena do filme “Marighella” (2021) | Foto: Divulgação

No dia 5 de novembro, a partir das 14 horas, acontece o oitavo Sábado Resistente do ano, em memória dos 53 anos do assassinato de Carlos Marighella. O encontro contará com uma conversa com o jornalista e autor da biografia Marighella: o guerrilheiro que incendiou o mundo, Mário Magalhães, seguida pela exibição do filme Marighella (2021), dirigido por Wagner Moura.

Político, guerrilheiro e poeta, Marighella lutou contra duas ditaduras brasileiras, e chegou a ser considerado inimigo número 1 do regime militar. Cofundador da Aliança Libertadora Nacional (ALN), foi preso e torturado diversas vezes, até que em 4 de novembro de 1969 foi assassinado por agentes do DOPS, em uma emboscada coordenada pelo delegado Sérgio Paranhos Fleury, em São Paulo.

O evento, promovido pelo Núcleo Memória e em parceria com o Tutaméia, reflete sobre o papel de Carlos Marighella na luta pela democracia, e faz parte da programação do Memorial da Resistência no Mês da Consciência Negra.

O eixo que guia a programação dos Sábados Resistentes de 2022, A construção da Cidadania no Brasil, tem como objetivo discutir a historicidade dos processos de construção da cidadania do povo brasileiro, marcada por lutas sociais e repressões políticas.  

Não é necessária inscrição nem retirada de ingressos para a participar do evento.

Convidado:

Mário Magalhães – Jornalista, formado pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Autor dos livros O narcotráfico, Marighella: O guerrilheiro que incendiou o mundo, Sobre lutas e lágrimas: Uma biografia de 2018, o ano em que o Brasil flertou com o apocalipse. Ganhou vários prêmios jornalísticos, incluindo o Prêmio Vladimir Herzog e o Every Human Has Rights Media Awards.

Sobre o filme

Maio de 1964. Carlos Marighella se prepara para levar seu filho para a rodoviária: não é seguro ficar perto do pai, que já é procurado pelo regime militar. No caminho, Marighella é emboscado e preso. 

Três anos depois, Marighella está novamente livre, determinado a reagir contra a opressão da ditadura através da luta armada. Com um bando de jovens guerrilheiros, Marighella assalta um trem e uma agência bancária, angariando armas e fundos para levar a luta da cidade para o campo, onde a guerrilha teria maior vantagem tática. 

Os revolucionários são auxiliados por alguns frades franciscanos que simpatizam com a causa, mas questionam a violência das ações – mas Marighella está decidido a não poupar esforços para tornar sua luta conhecida pelo povo brasileiro, ainda mais quando a censura nos noticiários credita os assaltos a bandos de criminosos comuns.

A luta contra os revolucionários se intensifica quando surge a figura de Lucio, policial dedicado a capturar Marighella, rotulando-o terrorista e inimigo público nº 1. 

Sobre o livro

Nesta narrativa repleta de revelações, o jornalista Mário Magalhães investiga as várias facetas do biografado. Em ritmo de thriller, reconstitui com realismo desconcertante passagens pela prisão, resistência à tortura, operações de espionagem na Guerra Fria e assaltos da guerrilha a bancos, carros-fortes e trem-pagador. Mas também recupera a célebre prova de física respondida em versos no Ginásio da Bahia e poemas de amor. A controversa vida de Marighella é também uma história dos movimentos radicais e da esquerda no Brasil e no mundo.

Coadjuvantes de peso, que tangenciaram a vida do protagonista, povoam estas páginas: Fidel Castro, Getúlio Vargas, Che Guevara, Carlos Lacerda, Stálin, Luiz Carlos Prestes e Carlos Lamarca, além de figuras-chave da cultura, como os escritores Jorge Amado e Graciliano Ramos; os pintores Cândido Portinari e Joan Miró; os dramaturgos Augusto Boal e Dias Gomes; e os cineastas Glauber Rocha, Jean-Luc Godard e Luchino Visconti. Proclamado pela ditadura militar como seu inimigo número um, o guerrilheiro foi morto em uma emboscada policial em São Paulo, na noite de 4 de novembro de 1969. Esta biografia de tirar o fôlego apresenta informações inéditas sobre a trajetória de Marighella e o atribulado e apaixonante tempo em que ele viveu.