Personalização

Acessibilidade

Idioma do site

Ocupações Memorial: Rafael Pagatini

A convite do Memorial da Resistência de São Paulo, o artista Rafael Pagatini apresenta a obra Retrato Oficial (2017) em que investiga as relações entre esfera política, ditadura civil-militar brasileira e os processos de construção da memória cultural. A exposição é parte do projeto Ocupações Memorial, que articula diálogos transdisciplinares sobre a memória dos períodos autoritários no país e suas reverberações no presente.

Reunidas em um dossiê, referências bibliográficas, textos e documentos aprofundam as questões tratadas pelo artista e seu diálogo com o Memorial da Resistência:

Vídeo

Assista à roda de conversa com o artista

Retrato Oficial
Impressão uv sobre 10.400 pregos de aço inox afixados na parede do espaço expositivo, 35x 45x 7 cm (cada)

Os retratos dos ditadores militares (1964-1985) são apresentados a partir do detalhe das bocas fechadas impressas sobre pregos de aço cravados na parede do espaço expositivo. Cada prego contém um pequeno fragmento que através do conjunto possibilita a percepção do retrato. O contraste entre as bocas e os pregos forjados em aço evidencia a suposta oficialidade do regime, indicando relações com o silêncio e o silenciar do estado de exceção e a violência do período. Nenhum “presidente” ao longo da ditadura civil-militar brasileira posou para a foto oficial do governo com uniforme militar: dos cinco, quatro vestiram terno de gala white tie e o último, Figueiredo, terno e gravata, traje recorrente até a atualidade. Para o artista, o objetivo era promover o imaginário do ditador como político e retirar da farda militar as conotações repressivas.

A fotografia do retrato oficial é resultado de construções de visibilidade, jogos de poder, manipulações, maquinações, intrigas e formas de se criar uma imagem, de forjar a suposta legalidade de um governo, ou seja, indica as bases da construção ideológica do governo de exceção. As ligações entre militares e civis ao longo da ditadura se estabeleceu como aliança que administrou e construiu as bases do Brasil contemporâneo, muitas das quais se perpetuam até a atualidade.


Sobre Rafael Pagatini
(Caxias do Sul – RS, 1985 . Vive e trabalha em Vitória – ES)
Artista visual, pesquisador e professor do Departamento de Artes Visuais da Universidade Federal do Espírito Santo. Trabalha principalmente com procedimentos associados a gravura, fotografia e instalação. Sua produção recente se caracteriza pela crítica da sociedade contemporânea, através da investigação das relações entre arte, memória e política.

Memorial Temporariamente Fechado

Seguindo as orientações do Plano São Paulo de combate à pandemia, o Memorial está fechado para atividades presenciais até que seja autorizado o seu funcionamento. O Memorial continua realizando atividades de maneira virtual! Para não perder nada da nossa programação online acompanhe nossos canais de comunicação.

Esperamos ver todos em breve!